Início » Emergências » DCS – Triagem

DCS – Triagem

INTRODUÇÃO
Um dos passos mais importantes na gestão de qualquer incidente de mergulho está na realização de uma avaliação inicial no local de mergulho para determinar a urgência da lesão. Quando há suspeita de DCS, o estado inicial do mergulhador afetado irá determinar a ordem e a urgência de seus próximos passos. Use o seguinte sistema de classificação, baseado no sistema da marinha americana, para colocar o mergulhador a uma das três categorias.

Categoria A – Casos de emergência de DCS
Em casos de emergência, é óbvio que o mergulhador está doente. Os sintomas são graves e muitas vezes aparecem rapidamente, geralmente dentro de uma hora ou já na superfície. Os sintomas podem progredir, e o mergulhador pode ter fortes tonturas, dificuldade em respirar, ter alterado o estado de consciência, marchas anormais na pele, fraqueza ou paralisia. Qualquer uma dessas condições representa uma verdadeira emergência médica e o suporte básico de vida pode ser necessário.
Se suporte básico de vida é necessário e oxigênio suplementar está disponível você deve usá-lo enquanto administrando respirações para aumentar o percentual de oxigênio que o mergulhador ferido respira. Mesmo se a CPR for bem-sucedida e o mergulhador recobrar a consciência, continuar a fornecer oxigênio até que ele chegue a uma unidade hospitalar.
Casos de emergência requerem estabilização imediata e contato com serviços de emergência médica (EMS). Você também deve contatar a DAN para conselhos adicionais. Médicos especialistas da DAN podem entrar em contato com o serviço de emergência para auxiliar no diagnóstico e, se necessário, tratamento.

Categoria B – Casos de urgência de DCS
Em casos de urgência, o sintoma mais comum é a dor severa que não muda ou progride lentamente durante as últimas horas. O mergulhador pode não parecem estar em perigo, exceto pela dor, quaisquer sinais neurológicos e sintomas que estão passando despercebidos, a menos que você realize um cuidadoso exame.
Nestes casos você deve imediatamente administrar a maior percentagem de oxigênio possível e dar líquidos por via oral. Não trate a dor com analgésicos, a menos que aconselhado a fazê-lo por pessoal médico. Certifique-se de continuar a fornecer oxigênio até o mergulhador chegar ao serviço médico para receber tratamento.
Transporte aéreo de emergência pode não ser necessário em todos os casos. Para saber se o transporte é necessário, entrar em contato com DAN ou o hospital mais próximo.

Categoria C – Casos de possibilidade de DCS
Nesta categoria, os sintomas de um mergulhador afetados são ou não óbvio, ou progrediram lentamente durante vários dias. Geralmente, os principais sinais ou sintomas são as queixas de dor ou sensações incomuns que deixam o diagnóstico de DCS em questão. Você deve chamar o DAN ou o hospital mais próximo para aconselhamento.
Independentemente da categoria, é importante obter, quanto possível, um histórico completo do mergulho e realizar uma avaliação neurológica para qualquer caso suspeito de DCS. Adiante veremos a coleta de informações e documentação.

 Categoria A

Categoria B

Categoria C

 Casos de emergência de DCS

Casos de urgências de DCS

Casos de possibilidade de DCS

 Sintomas são graves e muitas vezes aparecem rapidamente, geralmente dentro de uma hora ou já na superfície.

O sintoma mais comum é a dor intensa que é imutável ou progride lentamente durante as últimas horas.

Sintomas são ou não óbvio ou progrediram lentamente durante vários dias.

Documentação

  • Quando possível, obter e documentar as seguintes informações para todas as suspeitas de casos de DCS:
  • Uma descrição de todos os mergulhos: profundidades/quantidades, taxas de subida, intervalos entre os mergulhos, gases respirados e problemas ou sintomas que ocorrem em qualquer momento antes, durante ou após mergulhos realizados. Se estiver disponível, os perfis de mergulho realizados fornecem um maior entendimento.
  • Momento do aparecimento dos sintomas e a progressão após o último mergulho do mergulhador. Também pergunte se havia algum sintoma antes do último mergulho e, em caso afirmativo, se piorou ou melhorou com o mergulho subsequente.
  • Uma descrição de todos os primeiros socorros realizados deve ser documentada (incluindo tempos e formas de administração de oxigênio) e os seus efeitos sobre os sintomas desde o surgimento da lesão.

Registe os resultados do exame neurológico no local (veja abaixo):

  • Faça uma descrição de todos as dores nas juntas ou outras dores musculoesqueléticas incluindo localização, intensidade e mudanças com movimento ou manobras de peso-rolamento.
  • Descrever, fotografar e observar o aparecimento de quaisquer irritações da pele.
  • Forneça uma descrição de quaisquer lesões traumáticas sofridas antes, durante ou depois do mergulho.

Exame neurológico no local

Informações sobre a condições neurológicas do mergulhador ferido podem ser úteis ao pessoal médico – não apenas para decidir o curso inicial do tratamento, mas também para determinar a eficácia do tratamento. Uma avaliação neurológica completa requer treinamento clínico extensivo e habilidade, mas um exame neurológico simples no local é fácil de aprender e pode ser feito por pessoas sem experiência médica. Realize o máximo do exame o quanto possível, mas não deixe que isso interfira com a evacuação do mergulhador.

Tradução livre de post publicado no Blog SURFACE INTERVAL da PADI Americas em 27 de fevereiro de 2015 e 26 de março de 2015.